Eduardo Ruman (In Memoriam)
President-Director
Administrative And Entrepreneur
Denise Ruman
MTB - 0086489
JORNALISTA RESPONSÁVEL
The Biggest and Best International Newspaper for World Peace
Founder, President And International General Chief-Director :  Denise Ruman - MTB: 0086489 / SP-BRAZIL
Mentor of the Newspaper : José Cardoso Salvador (in memoriam)
Mentor-Director : Mahavátar Babají (in memoriam)

Notícias Internacionais / 10/03/2021


ONU preocupada com risco de mais violência na República Centro-Africana

0 votes
Escritório da alta comissária para os Direitos Humanos alerta para perigos do segundo turno das eleições legislativas, marcado para o próximo domingo; violência dos últimos meses inclui morte e sequestro de civis, incêndio de locais de votação e ataques às forças de paz da ONU, matando sete pessoas.

Fonte ONU NEWS

A alta comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, está preocupada com a volatilidade da situação na República Centro-Africana e o risco de mais violência depois da última votação das eleições legislativas, marcada para o próximo domingo, 14 de março.

Falando a jornalistas em Genebra, a porta-voz do Escritório, Ravina Shamdasani, lembrou que as forças de segurança devem proteger os civis, prevenir a violência e agir em conformidade com o Direito Internacional dos Direitos Humanos e o Direito Internacional Humanitário.

Eleições

As eleições de dezembro, que incluíram o primeiro turno da votação parlamentar e a eleição presidencial, foram marcadas pela violência, sobretudo devido a uma nova coalizão de grupos armados, conhecida como CPC, que se opôs à realização do pleito e realizou um violento boicote ao processo.

Acnur/Hélène Caux
Refugiados da República Centro Africana em centro de distribuíção de ajuda no norte da República Democrática do Congo

Como resultado, houve um aumento acentuado nas violações e abusos documentados dos direitos humanos antes, durante e depois das eleições, incluindo a aplicação do estado de emergência e toque de recolher.

Violações

De 1 de outubro a 31 de dezembro de 2020, a Divisão de Direitos Humanos da Missão da ONU no país, Minusca, documentou 185 incidentes de violações e abusos dos direitos humanos.

Os grupos armados, em particular o CPC, foram responsáveis ​​por mais de 86% desses incidentes.

Eles mataram e sequestraram civis, dispararam munições reais para intimidar a população, incendiaram postos de votação e destruíram materiais eleitorais. Também atacaram as forças de paz da ONU, matando sete pessoas em dezembro e janeiro.

O período pós-eleitoral foi caracterizado por ofensivas e ações de retaliação contra os grupos armados por parte das forças de defesa e segurança do país e seus aliados.

Civis

Segundo o Escritório da alta comissária, agentes do Estado e seus aliados teriam matado bem como torturado, maltratado e detido pessoas de forma arbitrária. Além disso, teriam saqueado e confiscado suprimentos pertencentes a organizações humanitárias.

A porta-voz disse que o Escritório está “extremamente preocupado com as alegações de tais violações dos direitos humanos e abusos por parte das forças de segurança nacional e grupos armados.”

Além disso, foi imposto um toque de recolher noturno a nível nacional a partir de 7 de janeiro e o estado de emergência, iniciado a 21 de janeiro, foi prolongado por seis meses a partir de 5 de fevereiro. Segundo o Escritório, isso causa “uma situação de fragilidade em que os direitos humanos podem estar ainda mais em risco.”

© Acnur/Ghislaine Nentobo
Com medo da violência eleitoral, centro-africanos fogem para a República Democrática do Congo

Investigações

A porta-voz afirmou que quaisquer alegações de violações devem ser investigadas de forma completa, imparcial e eficaz, e os responsáveis responsabilizados. As vítimas e suas famílias têm direito à justiça, verdade e reparação.

Todas as alegações de abusos de direitos humanos cometidos por grupos armados também têm ser investigadas de forma independente e eficaz e os supostos perpetradores processados.

Ravina Shamdasani disse ainda que a responsabilização por violações e abusos é a única forma de quebrar o ciclo de violência no país e trazer paz e estabilidade ao país. Sem isso, a porta-voz disse que a nação “não será capaz de se recuperar da terrível situação econômica em que se encontra.”


Comentários
0 comentários


  • Enviar Comentário
    Para Enviar Comentários é Necessário estar Logado.
    Clique Aqui para Entrar ou Clique Aqui para se Cadastrar.

Ainda não Foram Enviados Comentários!

Copyright 2021 - Jornal Pacifista - All rights reserved. powered by WEB4BUSINESS

Inglês Português Frances Italiano Alemão Espanhol Árabe Bengali Urdu Esperanto Croata Chinês Coreano Grego Hebraico Japonês Hungaro Latim Persa Polonês Romeno Vietnamita Swedish Thai Czech Hindi Você